Cidades

X
  • Sexta-feira, 20 de Outubro
  • Onde quer que vá, vá com o coração!
Cidades

Matéria

Sábado, 12.08.17 às 00:00

Lar Santa Clara inaugura novo prédio para acolher pacientes

Millena Grigoleti
Mara Sousa 11/8/2017 JACI_7254_WEB
Gabriel mora há 11 anos no Lar Santa Clara, onde quer ficar para sempre. Ele está gostando da nova casa inaugurada nesta sexta

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de assinante:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do
Diario da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Mara Sousa 11/8/2017 JACI_7254_WEB
Gabriel mora há 11 anos no Lar Santa Clara, onde quer ficar para sempre. Ele está gostando da nova casa inaugurada nesta sexta

Há 11 anos, a casa de Gabriel Florencia Lossavaro fica no Lar Santa Clara, em Jaci. Nesta sexta-feira, 11, ele se mudou para um imóvel maior e que pode abrigar mais amigos. “Estou achando um espetáculo”, definiu o rapaz de 24 anos. Ele conta que chegou à chácara onde antes funcionava o Lar aos 13, ainda criança. Nunca tinha morado no campo, mas acabou se acostumando e gostou. O pai adoeceu e não pode mais cuidar do filho, que tem deficiência intelectual leve, mas sempre visitava Gabriel, até falecer.

Gabriel foi alfabetizado e passa o dia na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). Seu desejo é ficar no Santa Clara para sempre. “Eu gosto, eu amo. Tenho 25 amigos”, comemora.

O Lar atende homens com deficiência intelectual leve ou moderada. Hoje são 26 moradores com idades entre 13 e 36 anos. Além dos moradores fixos que dependem de cuidados, o Lar também acolhe homens temporariamente, por seis meses, até que se estabilizem. Com o novo espaço, pode atender até 60 pacientes.

A maioria chega ao local por abandono da família, às vezes vindos de outras instituições. Apenas um, de 24 anos, portador de uma esclerose que atinge o cérebro, tem vínculo familiar – a mãe precisou do auxílio pois o rapaz havia se tornado agressivo e a machucava. Ela visita o filho pelo menos a cada 15 dias e acabou adotando também todos os outros pacientes. Um dos moradores sequer tinha sobrenome, e foram os funcionários que o batizaram.

O Lar Santa Clara faz parte da Associação São Francisco de Assis, que teve início na região e hoje atende pacientes em locais como Rio de Janeiro e Amazonas. O novo prédio foi construído no Centro de Jaci, junto ao hospital e ao Polo de Atenção Integral à Saúde Mental. O espaço tem 16 quartos com banheiro, sala de assistência social, sala de reunião, espaço de convivência, consultório, sala de administração e rouparia. O governo estadual repassa R$ 432 mil anuais para manutenção do Lar e contribuiu com R$ 500 mil na construção do no prédio.

JACI_7272_WEB Maria Zilda, cozinheira do Lar, com o filho de coração Ezequiel, 19 anos. Abandonado pela mãe, ele perguntou se a cozinheira poderia ser sua “mãe de verdade”

Mãe de verdade

Quem também é mãe de coração é Maria Zilda Caboclo de Souza, 54 anos, cozinheira do Lar. Ela adotou Ezequiel de Jesus dos Santos, 19. “Quando eu cheguei ele disse: ‘eu queria uma mãe de verdade. Você quer ser minha mãe de verdade?’. Eu falei ‘eu quero’.” O menino a presenteia com flores e diz que ela é a mais especial do mundo. “Eu gosto do lar, gosto de todo mundo. Gosto da minha mãe”, diz.

Durante a inauguração da nova casa, os moradores cantaram a música “Como é grande meu amor por você”, de Roberto Carlos. Gabriel foi o flautista e Ezequiel um dos cantores. “Me emocionei quando começou a cantar lá em cima”, diz Maria Zilda.

Amor é o que não falta para a equipe. “A gente só permanece por amor. É árduo”, diz a irmã Paulina Rodrigues. “Nós temos em média quatro monitores, um técnico de enfermagem, enfermeira, religiosa que sou eu, equipe técnica pela manhã ou tarde. À noite são dois técnicos de enfermagem”, enumera. A equipe integrada é composta de assistente social, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional e psiquiatra, além dos religiosos.

A qualidade de vida é garantida também por atividades pedagógicas que ensinam sobre os dias, espaço e horas, além de atividades como a música.

Ana Carolina Covizzi, psicóloga e coordenadora do Lar, diz que parte dos moradores são aptos a fazerem as atividades do dia a dia. “Outros necessitam de auxílio. A maioria fala, anda, outros frequentam projetos lá fora.” A chácara onde moravam, segundo ela, não atendia às necessidades porque era necessário se deslocar à cidade para passeios, atendimento médico e escola, na APAE.

O frei Francisco Belotti, que está à frente do Lar São Francisco, destaca a importância do novo espaço. “Não tínhamos a estrutura que nós queríamos. Aqui tem toda a retaguarda do hospital, raio-X, laboratório, centro cirúrgico.”

Comentários

Recomendadas

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Facilite seu acesso agregando uma
conta de rede social ao seu perfil
Sexo
Confirme seu cadastro

Para acessar nossos conteúdos especiais é necessario que você ative seu cadastro.

Acesse seu e-mail e clique no link que lhe enviamos. Caso não tenha recebebido, digite abaixo seu e-mail.