Grupo Diário da Região   | quinta-feira, 09 de janeiro
IMG-LOGO
Home Comportamento
HISTÓRIA DE VIDA

Engraxate na infância, Júlio César Antônio detém hoje o título de um dos empresários mais conceituados da região

Enquanto muitos consideraram 2019 um ano difícil para os negócios, a distribuidora de produtos nacionais e importados Mar & Rio Pescados, de São José do Rio Preto, teve um faturamento médio de R$ 40 milhões por mês. Para 2020 a expectativa é obter um crescimento de 20%, principalmente no varejo. Não é à toa, portanto, que Júlio César Antônio, de 61 anos, conquistou o prêmio de Empresário do Ano pela LIDE Rio Preto, braço da entidade internacional que reúne empresários em diversos países e tem como objetivo debater o fortalecimento da livre iniciativa do desenvolvimento econômico e social. O caminho para o sucesso não foi nada simples: Júlio César começou a trabalhar com apenas 8 anos de idade para ajudar nas despesas de casa e passou por dificuldades ao se mudar, ainda adolescente, para a capital paulista em busca de um futuro melhor. Hoje, se sente satisfeito com qualidade de vida desfrutada pela mãe e por sua família. Casado com a empresária Fabrícia Roweder Antônio, de 45 anos, que trabalha com ele na Mar & Rio Pescados, ele é pai de quatro filhos - Fábio da Silva Antônio, 36, e Júlio César Antônio Filho, 38, fruto de seu primeiro casamento, e Carlos Matheus Carreira, 24, e Leonardo Roweder Antônio, 11, da união com Fabrícia. E, enquanto traça planos para expandir cada vez mais os negócios, sempre que pode encontrar um tempo para curtir a companhia dos netos - Juliana e Ana Júlia, de 2 e 3 anos, respectivamente, moram em Braga, Portugal, com o pai, seu primogênito, mas Olívia, de um aninho, e Guilherme, de 11, vivem em Rio Preto. 

Realizado na vida pessoal e profissional, Júlio César relembra como construiu uma das empresas mais bem-sucedidas da região:

"Nasci em São José do Rio Preto, mas com apenas duas semanas de vida nos mudamos para Monte Aprazível, onde fui criado. Comecei a trabalhar muito cedo, com apenas 8 anos de idade, engraxando sapatos, vendendo picolés e entregando jornais. Fiz isso por minha própria vontade, porque queria ajudar no sustento da casa. Meu avô faleceu num acidente de carro quanto eu tinha 10 anos e minha avó, um grande exemplo para mim, sempre ajudou a minha mãe a cuidar de mim. Sou filho de mãe solteira que trabalhava como costureira. Ela me educou com muito sacrifício e me ensinou a maior lição que aprendi na vida: seja transparente, trabalhador e ético.

Ter sido criado por mãe solo me deu força extra para conquistar tudo o que desejei. Nunca reclamei, pois até hoje acredito que as pessoas crescem na dificuldade. Mesmo nos dias mais difíceis, pensava que tudo seria possível se eu tivesse força. Com 12 anos, pagava as contas de água e de luz da minha casa. Foi nessa idade, também, que comprei a minha primeira bicicleta com o dinheiro que ganhava e ingressei em um escritório de contabilidade para fazer a limpeza. Com o tempo, passei a ajudar também no setor de cobrança. Sempre gostei de lidar com números e aos 14 anos fazia a escrita fiscal de quatro microempresas, entre elas uma quitanda e um bar. Aos 16, assumi a contabilidade total delas.

Mesmo sem contar com nenhuma oportunidade em vista, aos 17 anos resolvi migrar para São Paulo. Alguns amigos tinham se mudado para a capital paulista para fazer cursinho e eu acreditava que, lá, encontraria novas e melhores chances. Fui morar na antiga pensão da Dona Neide, na Alameda Santos, e ali permaneci por um período. Assim que cheguei, descobri que tinha que pagar a pensão adiantado. Só que eu não tinha um tostão... Contei para a Dona Neide a minha história e me propus, como forma de pagamento, a deixar o assoalho de madeira do local, que estava bem sujo, brilhando. Eu tinha um segredo para isso, que consistia em dissolver gasolina na cera de limpeza. Deu certo e ela ficou impressionada com o resultado! Com o tempo, ela acabou me adotando como 'filho'. Quando arranjei emprego, caminhava 10 km para chegar ao local e outros 10 km para voltar a fim de economizar. Não queria gastar com ônibus. A Dona Neide via a minha luta e me ajudava, eu retribuí me transformando numa espécie de 'gerente' informal da pensão.

Fiz faculdade de Contabilidade e acabei trabalhando durante 15 anos numa indústria eletrônica. Encerrei minha carreira por lá como diretor executivo. Quando a empresa optou por se mudar para Manaus, já tinha dois filhos e não quis ir. Em contrapartida, decidi me mudar para Peruíbe, no litoral paulista, onde mantive um supermercado por dez anos. Meus planos sempre envolveram o ramo da alimentação, então, conforme fui observando como funcionava a economia do litoral paulista e a sazonalidade dependente do turismo, retornei meu olhar para São José do Rio Preto. A cidade era e ainda é um bom centro regional do interior, com uma economia forte. Além disso, ficaria perto da minha mãe.

No final de 2002, então, já morando na cidade, montei a Mar & Rio Pescados no quintal da minha casa. Na época eu tinha recebido o convite de alguns amigos para participar da criação de tilápia em Buritama e acabei montando a distribuidora. Fomos um dos pioneiros a fornecer filé de tilápia Saint Peter para o grupo Pão de Açúcar. O Fábio, meu segundo filho, saía de Rio Preto com uma Fiorino com 600 kg de produto à meia-noite, em direção a São Paulo. Para divulgar o produto, organizávamos sessões de degustação nas lojas para conscientizar sobre a diferença entre um filé de tilápia de cultivo e um da bacia do rio Tietê.

Três anos depois, decidimos investir em outros produtos, como frutos do mar. Em 2011, passamos a atender o mercado internacional. Hoje importamos para 17 países e fornecemos para todo o Brasil. Para se ter uma ideia, levamos 1.000 toneladas por mês de salmão para Manaus e Belém. Entre restaurantes, cozinhas industriais e hospitais, atendemos quase 4 mil pontos de venda nacionalmente, sendo que contamos com frota própria para servir oito estados. Hoje, a Mar & Rio Pescados está situada num terreno de quase 10 mil metros quadrados e soma 330 funcionários. Desde 2018 também atuamos no varejo. E nosso portfólio conta com mais de 500 produtos.

Eu sou persistente. Para conseguir fechar um acordo com o Chile e passar a importar salmão de lá, por exemplo, insisti mais de três anos. Sempre tive um propósito definido, o de me destacar no ramo da alimentação, e me acho um visionário. Se eu não quisesse evoluir na vida, teria continuado em Monte Aprazível. Minha inspiração desde criança é Deus. Sou católico, muito devoto, e tenho bastante fé. Porém, tenho a consciência de que não fiz nada sozinho na minha vida. Obtive a ajuda e o estímulo de pessoas maravilhosas ao longo da minha jornada, como toda a minha equipe de colaboradores da Mar & Rio Pescados. Foi por causa deles, também, que em 2019 conquistei o prêmio de Empresário do Ano pela LIDE Rio Preto. Uma das minhas frases preferidas é aquela do Walt Disney que diz: 'Você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo. Mas é necessário ter pessoas para transformar seu sonho em realidade'. Eu acredito nisso.

Meu sucesso nos negócios não me fez esquecer minhas raízes nem de onde eu vim. Me preocupo com o próximo e busquei ensinar isso aos meus filhos. Atualmente, minha empresa ajuda com doações de produtos e financeiras cerca de 14 entidades de Rio Preto e região, entre asilos, creches e clínicas de recuperação. Nós, empresários, temos que fazer a nossa parte, não só cobrar do poder público.

No meu tempo livre, gosto de curtir a minha família e receber amigos em casa. Faço questão de cuidar da minha qualidade de vida, praticando esteira e musculação cinco dias na semana na academia que montei na empresa. Ela é aberta 24 horas por dia aos funcionários. Há cerca de três anos, trouxe minha mãe para Rio Preto. Ela tem 84 anos e mora numa casa bem tranquila com a irmã gêmea. Quando tenho a chance de compartilhar minha experiência, ressalto que o dinheiro é a consequência do investimento na parte espiritual, da honestidade e do trabalho duro. Poucas vezes pedi algo na vida; quando acordo e antes de dormir prefiro agradecer. E sei que se precisasse fazer tudo de novo, faria."

Editorias:
Comportamento
Compartilhe: